terça-feira, 12 de maio de 2009

Albina e Negra



Ontem estava pensando em escrever algo das coisas bonitas daqui... Das pessoas, das paisagens...
Não fiz exatamente uma “revisão” do que eu já contei, mas de qualquer modo tenho receio de estar passando apenas imagens ruins! Sim, os problemas são muitos, mas se fosse só isso a experiência seria insuportável...
Seja como for, a idéia de escrever algo “de bom”, caiu por terra hoje na hora do almoço! Estava com a cozinha alagada devido a um cano que estourou, então fui comer fora.
No caminho, os artesãos oferecendo seus lindos trabalhos, os chapas lotados da rua, os varais improvisados com dezenas de coloridos batiques (telas de pintura local), a rua se remexendo em cor com as mulheres vestidas em suas capulanas (tecido local). Tudo de uma simplicidade e beleza já cotidiana. Eis que na porta do lugar onde eu ia comer uma mulher sentada no chão pedindo esmolas.
Nada de diferente se aquela mulher não fosse albina. Não, isso também não seria tanta novidade. O que me chocou, o que me impactou, foi que a mulher não tinha olhos! No lugar de seus olhos, duas pequenas manchas vermelho vivo, vermelho sangue. Era mendiga, albina, cega e não tinha os olhos! A cena mais impactante nestes meses.
Aqui as pessoas geneticamente com ausência de melanina na pele e cabelo (albinas) são muitas! E o preconceito muito grande! Sim, penso que o preconceito com os albinos é grande em qualquer país hoje em dia. Mas isso, em um país onde quase todos são negros, é “outra coisa”! Você não é apenas visivelmente diferente, você é o “contrário”! Enquanto todo o país e toda a sua família têm uma concentração muito grande de melanina na pele (e por isso que são chamados negros), a melanina não existe pra você! Quando você tem avós, pais, tios e irmãos negros, logo, também é negro. Mas negro? Como ser negro e albino ao mesmo tempo?
Tamanha é a dificuldade que em muitos lugares da áfrica subsaariana os albinos são visto como portadores de poderes mágicos e, por isso, são mortos e as partes de seus corpos vendidas e aproveitadas como remédios ou amuletos para trazer riquezas! Aqui não soube nada oficial, embora tenha ouvido que os assassinatos também acontecem! Já Tanzânia (que faz fronteira com Moçambique) esses assassinatos são freqüentes e são noticiados.
Não morta, a mulher que vi não tinha olhos! Tinha dois buracos com sangue vivo no lugar dos olhos! Com certeza não pode e não soube como manter seus olhos. Ela tinha, sim, feridas na pele, devido à exposição ao sol. Não estava coberta para proteger sua pele frágil. Certamente também não tinha passado cremes com protetor solar para abrandar essa exposição!
Só sei que essa imagem grudou na minha cabeça: Ela, negra, albina, na África, na rua, sentada no chão, ao sol das 13h, sem olhos, estendia a mão a quem passava, a pedir esmolas...
Desta vez, não tenho nada “ameno” para contar. Apenas divido com vocês essa imagem/ inquietação!
(A "poesia" deixo para a imagem que ilustra esse relato: Neste momento, vocês podem voltar os olhos para a mulher carregando o seu bebê na capulana, e sorrir!)
Fonte da imagem:
www.flickr.com/photos/feijeriemersma/3376083070/
.

8 comentários:

isadora disse...

nossa, que terrível. já tinha ouvido falar disso, mas não que rolava essa violência toda.

bj,
isa.

Anônimo disse...

Oi Ja!!!

Nossa... to impressionada com o seu relato.

Saudades

Beijãooooo

"Leitinho"

Anônimo disse...

The image you are using above this article is mine. Dont you think it would be polite to ask me if you can use this photograph? Others pay a lot of money for the use of this image, and you just steal it from my flickr-site.

F. Riemersma
Photographer
Amsterdam, The Netherlands

Janaína Leslão disse...

Olá, Anônimo!
a imagem eu busquei no google! Não estava protegida e o final citei a fonte, justamente para que saibam que não é minha.
Você fez um ótimo trabalho e merece todo o crédito!

Anônimo disse...

Janaína, lindo blog, lindo post. E quanto ao fotógrafo aí de cima, sugira a ele conhecer o Creative commons e ser mais bonzinho com quem não está ganhando dinheiro com a foto dele... Um beijo da Ana!

isadora disse...

Realmente, você citou a fonte e isso basta, para uma imagem que está disponível no google.
Se ele vende as imagens que produz, não deveria disponibilizar no flickr.
Beijo!

Janaína Leslão disse...

Ana e Isa, muito obrigada... Sou meio lesa, e juro que fiquei com uma pontadinha de preocupação...
Gracias! hehe

Tânia disse...

Acho que aturdida é a palavra que melhor define meus sentimentos após a leitura desta postagem.
Nunca havia parado para pensar que uma pessoa albina pudesse ser negra. Mente viciada... Valeu muito a chacoalhada! E o pior é que enquanto eu fico aturdida, alguém tem que matar para dar conta do que não consegue ruminar.
As vacas são melhores que nós... enquanto engolimos a seco e não digerimos totalmente (ganhando grastites, úlceras, etc.), elas ruminam. A mulher-vaca já disse: "O ser humano é muito chato!"
Me despeço com minhas ruminações...